X

Monitorando o público certo no Google Analytics

Published on: ago 11 2015 by Daniel Assad

Para ter uma loja virtual de sucesso você precisa conhecer seu público. Você já ouviu isso né? Mas não vamos nos contentar em apenas “conhecer”. Vamos além… Na internet tudo é mensurável – outra frase muito falada por aí. Mas qual a qualidade dos dados que você está monitorando?

Não estou falando do total de pessoas que acessam sua loja ou qual a cidade com mais visitas. Estes dados são bonitos mas você não conseguirá chegar muito longe com eles.

Estou falando de analisar seu público, suas vendas, canais, campanhas, etc, criar relações entre eles. E por que isto é importante? Simples. Hoje na internet você precisa investir dinheiro para atrair mais gente… é campanha no Facebook, no Google, Buscapé, ali, aqui… e apenas trazer “mais gente de gente” pode frustrar e elevar o seu orçamento de marketing digital.

Exatamente. Não é medir porque os dados estão ali. É medir para otimizar sua verba. Você mede sua audiência para descobrir onde está acertando e trazer mais gente que irá consumir. Para descobrir onde está errando e evitar trazer quem não consome, otimizando seu gasto por novos usuários.

 

Quem compra em sua loja virtual não tem o mesmo perfil de quem acessa sua página

Saber de fato quem está comprando em sua loja (perfil do comprador e origem da visita) e como ele está comprando (é do celular? é do desktop?) não é analisar o total de visitas (total de visitas no site, total de visitas na cidade x, total de visitas no celular y, total de visitas disso ou daquilo).

 

Um exercício rápido: A maioria dos usuários que entra no seu site realiza uma compra? Posso dar um tiro quase certeiro: Não. Apenas se sua taxa de conversão for acima de 50%.

Então, por que os administradores (e muitos profissionais de marketing) olham o número total de visitantes de uma loja e assumem que o perfil de quem compra é igual a este?

Simples. Pois não sabem onde estão olhando. Nunca aprofundaram-se nos relatórios para perceber que é possível traçar um perfil de compradores e diferenciar do perfil de usuários não compradores.

Isto é, mais uma vez, analisar quem compra e buscar novos usuários com este perfil. E não mais com o perfil de quem está visitando o seu site, que na grande maioria nunca comprou e não comprará. Perfil não é apenas sexo, idade, cidade, é também canal de entrada, tecnologia usada, tempo de visita e muito mais.

Existe uma fórmula no mercado que considera a taxa de conversão. É bem simples: “Meu site tem uma taxa de conversão de 1%, isto é, a cada 100 pessoas que coloco nele, 1 compra. Então para ter 100 compras preciso ter 10.000 usuários”. E lá vai o planejamento de marketing botar anúncio no Facebook por alguns centavos o clique. Traz 50, 60, 70 mil novos usuários e nenhuma (ou quase nenhuma venda). Onde está o erro? No planejamento? Na execução? No banner? Não. Está na análise. Na estruturação do pensamento.

Certamente sua ação trouxe tantas mil pessoas com o perfil de visitante e não com o perfil do comprador, por isso, ao trazer tanta gente, sua taxa de conversão que era de 1% caiu para zero ponto alguma coisa, fazendo com que as vendas não aumentasse tanto quanto gostaria / investiu.

Claro, definir ou segmentar o seu público comprador irá demorar. Dependendo do seu momento, trazer tudo isto de gente (pessoas dentro do seu “público-alvo-visitantes”) será necessário. Essas pessoas tem lá seu valor, como por exemplo aumentar suas comunidades nas redes sociais, compartilhar seus conteúdos e gerar mídia gratuita, entre outros. Não estou falando abandonar pessoas que estão dentro do seu nicho, mas sim trabalhar diferente para aquelas que tem seu perfil de comprador.

Um pequeno exemplo: Uma marca tem seu público “homens de 25-35″ e fez um anúncio para levar ao site 80 mil homens com esta idade. Deste total 0.5% compraram. Cada clique custou R$1,25 (isto é, 80.000 usuários x R$ 1,25 = R$ 100.000 de publicidade); 400 usuários compraram (0.5%).

Após uma análise detalhada do seu público comprador notou-se que a maioria desses usuários tem renda superior a R$ x. Num futuro anúncio esta mesma marca com posse desta informação decidiu buscar usuários com esta renda e sua taxa de conversão foi de 3% para o mesmo anúncio, mudando apenas o foco dos homens 25-35. Vamos aos números: Total de cliques: 30 mil; custo do clique: R$ 1,27; total investido em publicidade: R$ 38.100; Total de usuários que compraram: 900. Simulando o ticket médio de R$ 800, veja o quanto esta marca investiu x faturou em cada anúncio:

 

Homens 25-35 Homens 25-35 $$$
 Total de usuários (#) 80.000 30.000
 Custo do clique (R$) 0,09 0,11
 Total Investido (R$) 100.000 38.100
 Taxa de conversão (%) 0.5% 3%
 Usuários que compraram (#) 400 900
Taxa de conversão (R$) 320.000 720.000

 

Interessante né? O desafio não está em filtrar seus anúncios para o público certo. Isto as plataformas te oferecem. O problema é definir qual seu público certo… Problema???

 

O problema do Google Analytics no Opencart

Infelizmente, o Google Analytics não vem configurado no Opencart para coletar as informações de vendas. Com isto, o único dado que você consegue coletar é dos usuários que visitaram sua página e não dos usuários que compraram seus produtos. Para isto é necessário a instalação de uma extensão.

Filed under: Blog e Dicas, Comércio Eletrônico, Google Analytics, Opencart

Deixe um comentário

*

*